Crânio de Luzia é achado nos escombros do Museu Nacional

O crânio é uma das principais peças do acervo O crânio é uma das principais peças do acervo Acervo de Antropologia Biológica do Museu Nacional/UFRJ/WikimediaCommons

O crânio de Luzia, fóssil humano mais antigo das Américas, foi encontrado durante o processo recuperação do Museu Nacional do Rio. A notícia foi divulgada nesta sexta-feira (19). Outros itens também foram recuperados durante o processo de escoramento do museu.

Veja também
  • União vai ceder terreno para Museu Nacional retomar atividades
  • Diretor do Museu Nacional do Rio escreve carta para presidenciáveis
  • Museu Nacional tenta incluir até R$ 100 milhões no Orçamento de 2019
  • Apesar de incêndio, Museu Nacional reinicia suas atividades
  • National Geographic quer ajudar na recuperação do Museu Nacional

O diretor do museu, Alexander Kellner, afirmou durante a coletiva que o valor de R$ 10 milhões repassado para o museu está sendo investido para garantir a segurança dos profissionais que estão trabalhando na recuperação.

Kellner também foi ao Congresso Nacional durante a semana para pedir que fosse repassado um valor de R$ 50 milhões para ajudar nas obras da fachada do palácio.

Incêncio no Museu Nacional

O Museu Nacional foi destruído pelo fogo no começo de setembro. As chamas comprometeram cerca de 90% de todo o acervo em exposição e em estudo.

A coleção de múmias de D. Pedro 1º e os ossos do dinossauro Maxakalisaurus, o maior em exposição no Brasil foram alguns dos itens perdidos após o incêdio.

Não havia visitantes no prédio e por isso os bombeiros não registaram nenhum vítima. Os seguranças que estavam no local, conseguiram escapar sem ferimentos.

Veja também: Conheça as peças do acervo perdidas no incêndio do Museu Nacional

Facebook Comentários

Iniciar conversa
Vamos anunciar?